sábado, 1 de outubro de 2011

O que se diz por aí.

Há quem diga que os políticos devem liderar pelo exemplo. Concordo!
Há quem diga que os políticos devem agir sempre defendendo a causa pública. Concordo!


Há quem diga que ser político é uma profissão. Discordo!


Exemplos na política há poucos, muito poucos mesmo. Hoje já ninguém lidera por exemplo, nenhum político consegue cativar o povo por ser aquele que possuí absoluta integridade. Os poucos que são vistos dessa maneira, não estão, infelizmente, na política activa.
As acções, os gestos, a forma como se tomam posições, descredibiliza o agente político, levando a que a esmagadora maioria das pessoas não se reveja na classe política: aldrabões, gatunos, ladrões... São talvez os termos mais suaves com que o eleitor descreve aqueles em quem vota.
Diremos então que o eleitor é burro por não "votar bem"?!? Não, o "fenómeno" é tão grande que já se começa a perceber que o problema é da classe política. Já se começa a perceber que é quase igual votar à esquerda ou à direita porque muitos nem sabem quais os ideias do partido que defendem e pelo qual são eleitos (Algo que devia ser "ensinado" pelas juventudes políticas, mas não raras vezes os dirigentes dessas "Jotas" nem sabem a sua ideologia)! Que se incutam valores nestas novas gerações!

Os interesses pessoais são mais fortes do que aquele que é o interesse público, o interesse dos cidadãos. As luvas, os sacos, e outros termos usados para definir os ganhos ilícitos dos governantes têm várias cores: branco, azul, laranja, etc, mas, no final de contas, tudo é "lucro" que os altos (e até menos altos) responsáveis pela vida política se apropriam ilegalmente. Alguém saberá sequer dizer o que é a causa pública?!?
Será pela causa pública que se constrói uma estrada que traz grandes proveitos à população por X dinheiros, ou será pela causa pública que se constrói essa mesma estrada pelo dobro de X, só porque o empreiteiro é amigo?!?
Fica no ar a questão de saber o que é afinal esta causa pública...


Ser político é talvez a actividade que está mais em voga no momento, mais "in".
Há quem diga que é a profissão certa para quem quer enriquecer sem fazer nenhum. Pois bem, ser político não é nenhuma profissão. Afirmo isto com base nos dois primeiros postulados através dos quais desenvolvi este post. Se é unânime que o bom político lidera pelo exemplo e serve a causa pública, então a política será porventura a área onde há os piores profissionais! Daí não querer considerar o ser político uma profissão! Era mau demais haver uma profissão neste país com tão baixos "níveis de produtividade" (expressão que pegou de estaca actualmente).

Este post é acompanhado por um constante sentimento de que se está a cometer uma falácia: a falácia da generalização! Há esse risco. Há o risco de que os leitores não se identifiquem com este post por estar "a meter toda a gente no mesmo saco", mas é mesmo isso que se pretende, consciencializar a sociedade, quiçá através de hipérboles, de que é preciso mudar mentalidades e tentar alcançar um estádio que permita a toda população confiar em toda uma classe política caduca!

3 comentários:

  1. "...não raras vezes os dirigentes dessas "Jotas" nem sabem a sua ideologia..."
    Ora nem mais!!! Na Madeira temos um enorme exemplo desses.

    ResponderEliminar
  2. "enorme exemplo"?? diria mais "incontinente"!!

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar