terça-feira, 11 de outubro de 2011

Desejos


 
Terminou o conturbado processo de eleições à Assembleia Legislativa da Madeira, marcado por um alto grau de violência política generalizada. Já muito foi partilhado sobre a matéria, inclusivamente neste espaço de discussão.

Temos que olhar para a frente, sempre. Mas não é um olhar inconsciente. Temos que seguir em frente, munidos de valores éticos para a actuação política, pois nunca a situação regional, nacional e internacional exigiu tanta responsabilidade ética por parte dos políticos.

Tal com se faz no início do dia 1 de Janeiro ou em qualquer início de um novo ciclo, tenho uma pequena lista de desejos para esta nova legislatura regional. Uso a imagem do dente-de-leão, que com o sopro humano espalha as suas sementes pela Terra. Quero partilhar este exercício convosco:

  1. Que os extremismos fiquem à porta, e que os excessos violentos da campanha sejam controlados de uma vez por todas. Nunca será cliché demasiado dizer que os políticos têm que ser exemplos para a população, especialmente quando se trata da juventude.
  2. Que todos os deputados eleitos honrem a responsabilidade cívica que paira sobre cada mandato da ALRAM. A esfera privada e a esfera pública da vida de um político não são espaços cirurgicamente distintos, por isso é fundamental que sejamos governados e representados por cidadãos responsáveis.
  3. Que se debatam ideias concretas para concertar as finanças regionais e que se proponham novas estratégias de governação económica. Pode parecer um choque depois de 2 semanas intensas de campanha partidária, mas é óbvio que a solução para a Madeira é uma síntese de todas as visões divergentes na ALRAM.
  4. Que não se tenha medo de ousar na diferença. As idiossincrasias regionais são o que nos tornam especiais, e nunca nos devemos conformar a um modelo e a uma visão homogeneizadora imposta sobre os madeirenses.
  5. Que a democracia e a liberdade de imprensa nunca volte a ser barricada à vontade de uma mão cheia de homens. O faroeste está no passado histórico por alguma razão e a evolução segue os ditames do civismo e não da guerrilha.
  6. Que se respeite quem está do outro lado do plenário da Assembleia, em tolerância pela pluralidade, sem insultar a inteligência nem das minorias, nem da maioria. O fio condutor da democracia é o respeito mútuo.
  7. Que quem esteja a ler esta lista, partilhe a sua visão de uma política melhor, usando para isso os comentários a este post. Política é um exercício comunitário diário - não se faz só em plenários e os cidadãos devem intervir com ideias para além do acto eleitoral.
 Quem tem o n.º 8, 9, 10, 11, 12...?

RB

21 comentários:

  1. 8. Que o desempenho político não seja estático e acomodado, antes dinâmico e evolutivo. Nos tempos que atravessamos e perante os desafios que se nos apresentam há que ter a capacidade de avaliar, adaptar e inovar.

    9. Que todos os deputados eleitos cumpram os compromissos que apresentaram, ajustando-os, sempre que necessário, aos anseios dos cidadãos que representam e respondam perante o eleitorado a uma avaliação permanente do seu trabalho.

    ResponderEliminar
  2. 10. A nossa autonomia não é meramente administrativa, formal e decorativa. Não é apanágio de uma minoria. Temos que ser autónomos igualmente noutros domínios: na cultura, na afirmação política, na economia. Isto implica maior liberdade, mas igualmente maior responsabilidade.

    ResponderEliminar
  3. 11. Nesta legislatura espero que os nossos representante se rodeiem de peritos quando discutirem os mais variados assuntos. Legislar sem um conhecimento minimamente profundo do assunto é legislar inconsequentemente.

    ResponderEliminar
  4. 11. Que se respeite a assembleia
    -Com o coelho e a coelha, mais os vários candidatos do PND que irão rodar durante os próximos 4 anos, desejo que a assembleia não se torne um palco de circo, pois esse será instalado na praia formosa durante a época natalícia.
    12. Que os deputados tenham em consideração que foram eleitos para defender os interesses do povo da Madeira e do Porto Santo. Espero que não vão para lá para fazer com que os familiares e amigos ganhem mais algum..

    ResponderEliminar
  5. 13. Que a democracia não se resuma ao voto e que, pela exigência contínua da cidadania activa, recupere a qualidade que perdeu.

    ResponderEliminar
  6. 14. Que se sentem os políticos, e partidos partdios todos à mesa, na tomada de decisões concertadas e coerentes;

    15. Que a sociedade civil, seja auscultada de modo a quem tem a caneta e o papela na mão do poder legislativo perceba a actual realiadade;

    Rúben Aguiar Santos.

    ResponderEliminar
  7. 16 - Que se evite situações que se tornaram um pouco comuns na anterior legislatura;

    17 - Que haja renovação de quadros políticos já na formação do Governo Regional;

    18 - E que a democracia e a autonomia saiam sempre vencedoras, tanto em palavras como em comportamentos.

    ResponderEliminar
  8. 19 - Que o presidente do Governo Regional e os membros do seu governo se dignem a submeter-se ao escrutínio da assembleia legislativa, eleita pelo povo. Que o presidente do Governo, respeite a "casa da democracia compareça com maior frequência nas sessões plenárias e seja capaz de debater com os deputados eleitos. Que a maioria parlamentar não sirva apenas para subjugar a assembleia ao Governo Regional/PSD e, assim subverter as regras elementares de um estado democrático.
    20 - Que tal como o Coelho e "Coelha", Jaime Ramos e José Pedro Pereira se comportem com a dignidade que se exige e evitem as cenas que tornam as sessões plenárias em espectáculos degradantes, onde proliferam os insultos pessoais mais brejeiros.

    ResponderEliminar
  9. 21. Que se aposte, de uma vez por todas, nos sectores que nos diferenciam e nos produtos que nos identificam. Temos de copiar de fora apenas as boas práticas, não o nosso traço cultural. O Combate ao abandono dos campos (com repercussão imediata no turismo, pois quem nos visita não quer ver silvado e cana-vieiras) recuperando o vinho licoroso mas também o de mesa, o "resgate" das nossas actividades artesanais (bordado, mobiliário de vime),a mudança de mentalidades para que o regresso a estas origens não constitua constrangimento, uma aposta séria nas pescas com a constituição de associações/cooperativas que aproveitem os desempregados da construção que já se fazem ao mar "desportivamente", a aposta na industria transformadora que confira mais valia comercial aos frutos do sector primário (agricultura, pecuária e pescas) com recurso a exemplos do que os nossos antepassados faziam de indentitário (queijos,manteigas,compotas/geleias. Passagem das industrias transformadoras definitivamente para o sector privado. Adaptação de legislação comunitária referente à produção agrícola e pecuária às nossas próprias especificidades( exiguidade de espaço e orografia acentuada) - se a legislação exterior não se adapta à nossa realidade cabe à ALM justificar a sua existência legislativa.

    ResponderEliminar
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  12. 22. Que as responsabilidades sejam assumidas e os devidos cargos para que foram eleitos sejam levados a cabo com toda a seriedade e respeito que assim o exigem, pois cada decisão e acto reflecte-se num todo.

    23. Que haja uma troca real de ideias concretas e com um objectivo colectivo para o bem de todos nós. Acima de qualquer emblema partidário que haja alguma união e concenso nas decisões a serem levadas a cabo pois é o futuro de todos que está em jogo.

    24. Que sejamos ouvidos e as nossas opiniões respeitadas. Todos temos uma palavra a dizer e hoje, mais do que nunca, o tema "política" nunca foi tão debatido e falado, o que faz com que as pessoas pensem por si próprias e tentem entender e questionar o que foi feito, o que se está a passar e o que pode advir de tudo isso.

    25. Que se inovem nas ideias, ideais, moralismos, opiniões, decisões, com atitude e coragem e que não tenhamos medo de mudança, de dar um passo em frente, rumo a um futuro melhor. Temos de valorizar os recursos que temos e rentabilizá-los de forma mais eficiente, ajustar as nossas qualidades às necessidades e lutar, sempre.

    ResponderEliminar
  13. 26. Que as oportunidades de emprego sejam realmente atribuídas a quem as merece e não a quem conhece "alguém".

    27. Que a má gestão e as negociatas debaixo da mesa sejam responsabilizadas criminalmente, para que em futuras decisões se pense e pondere antes de fazer.

    28. Sobretudo aprender com os erros do passado e do presente para que no futuro a Madeira seja um exemplo a seguir a nível ambiental, económico, social, cultural.

    ResponderEliminar
  14. Seu bando de loucos e contituirem um partido.

    O partido dos falhados!

    ResponderEliminar
  15. 29. Que as pessoas tenham a honestidade intelectual e moral de serem frontais e não se esconderem atrás do anonimato online para desafogar frustrações pessoais.

    ResponderEliminar
  16. Sra Paula,

    1 - nem é preciso perguntar onde está a sua auto-estima, até porque é evidente da forma como faz questão de se apresentar!

    2 - é inútil perguntar qual é a sua motivação, até porque sei que não vai responder, mas também não é preciso. Pelo teor do seu comentário eu desconfio.

    3 - a opinião é algo que lhe incomoda? Será que está mesmo na juventude partidária certa? A existência de partidos autoritários é proibida pela CRP, daí que se deduza que não há partido que lhe "caiba que nem uma luva". Essa ideologia foi-se com o 25Abril.

    4 - a opinião com conteúdo e que apresente soluções para os problemas da actualidade faz-lhe confusão? Ah... esta pergunta é evidente. Claro que sim, deve ser mais adepta de outro tipo de soluções, mais radicais, quero eu dizer, e à semelhança das claques de futebol!

    5 - Se visita este blogue é porque aprecia o nosso trabalho e lê o que aqui é dito. Obrigado pela assiduidade.

    ResponderEliminar
  17. 30. Que os nossos políticos lembrem-se da história, aquela que tende a repetir-se, aquela construída com erros que não podemos repetir.

    31. Que se oiça o povo, não sou ouvir de alguém falar ou de ler em blogs como o nosso, aquele dos números das insolvências, do desemprego, dos suicídios, dos desalojados, dos esfomeados. Daqueles que um dia eram como nós. "Os ainda privilegiados"

    ResponderEliminar
  18. 32. Que a ALRAM seja um espaço pluralista, ideologicamente são, livre de ofensas pessoas ou argumentos falaciosos, onde haja uma saudável troca de ideias de modo a encontrarmos as melhores soluções para elevar este cantinho do Atlântico.

    33. Que a oposição se comporte com tal, com ideias e soluções e abandone o típico "bota-abaixo". Ser do contra não é fazer oposição. Ao apresentarem ideias e alternativas, serão parte integrante de uma solução conjunta e ganharemos todos com este debate saudável.

    34. Do mesmo modo, que a maioria parlamentar eleita pelo povo prime pelo profissionalismo, respeito e decência, pois a oposição também teve votos e é parte representativa da população. Unindo esforços as soluções tornam-se mais fáceis e os desafios mais leves. Se cada um cumprir o seu papel temos Democracia.

    35. Que seja aprovada uma lei de incompatibilidades que puna o enriquecimento ilícito e previna uma governação com claros conflitos de interesses. Que a Transparência e Integridade sejam qualidades presentes na ALRAM.

    36. Que o nosso bem mais precioso, a Natureza no seu estado selvagem, seja preservado e acarinhado. A aposta pode ser muito diversificada e o Eco-turismo, turismo de desporto (surf, vela, mergulho,...) e actividades relacionadas estão dependentes da uma boa preservação da Laurissilva e costa marítima. Se só tivermos túneis e betão para oferecer, um possível visitante seleccionará outro destino.

    37. Que se criem condições para agricultores e pescadores prosperarem. Um sector fundamental da nossa economia e muitas vezes esquecido pelo Estado e diminuído pela população.

    37. Que se fomente e recompense o brio pessoal resultante do trabalho e sentimento de dever cumprido em detrimento do ócio recompensado pelo Estado.

    38. Que haja bom-senso na ALRAM. Atitudes dignificantes e responsáveis de todos os elementos. Basta de comportamentos que nos envergonham a todos, como desfraldar bandeiras nazis.

    Haveria mais mas por agora terá que ser suficiente. Por último, e abrindo uma excepção respondendo a um comentário ignóbil, cobardemente escondido no anonimato proporcionado pela internet, lembro que na loucura reside a genialidade e se tal é necessário para anular a arrogância e atrevimento da ignorância, então um pouco desta loucura nunca fez mal a ninguém. Bem hajam a todos e sejam felizes.

    ResponderEliminar
  19. 39- Que o Governo Regional, à imagem do Governo da República compareça em debates quinzenais, levado assim a um maior debate e troca de ideias entre um Governo que é legislador e uma Assembleia que sendo igualmente legislador, discute os problemas da população madeirense.

    40- Que os deputados saibam se comportar e mantenham um comportamento exemplar durante toda a legislatura. (Espero que principalmente não hajam faltas do partido do qual sou militante, senão lá se vai a maioria...)

    Maurício Ornelas

    ResponderEliminar
  20. 41. Que os deputados eleitos, em especial os da JSD, sejam a voz activa dos jovens madeirenses. Uma forma de implementar esta ideia, passava pela realização de reuniões parlamentares regulares, pugnando por uma maior proximidade entre a ALRAM e a população jovem.

    ResponderEliminar
  21. 42. Que a ALM abra as suas portas para um maior número de mulheres, através de uma lei da paridade. Os recentes episódios de violência política devem-se em parte aos excessos de testosterona na política regional.

    ResponderEliminar